Aplicativo mostra medicamentos que podem causar alergia ao usuário

A alergia a medicamentos pode provocar reações no corpo e até matar. Mesmo algum produto ou substância a que você está acostumado pode provocar alergia de uma hora para outra. Foi de olho nessa situação que um médico de São Paulo desenvolveu um aplicativo de celular.
Baixe na Play Store ou na Apple Store.
Marcela ainda tem algumas marcas no pescoço da última alergia que teve. Ela passou mal quando tomo um remédio para dor de cabeça. "Uma queda brusca de pressão, mal estar foi súbito. Eu estava trabalhando quando vi duas telas na frente, comecei a ter um pouco de suor frio", conta
A alergia a medicamentos pode matar se a pessoa não perceber logo o que está acontecendo e procurar ajuda. Isso porque, segundo os médicos, a maioria das alergias é causada por um remédio que a pessoa já tá acostumada a tomar mas que, naquele momento, o corpo passou a rejeitar.
"As pessoas pensam que são alérgicas às coisas novas e não é verdade. Ela é alérgica ao que  usa sempre. É como se o organismo, o sistema imunológico falasse assim: aqui não entra mais isso. E aí ela vai ter sempre reação”, explica Fábio Morato Castro, médico e professor da USP.
A coceira pelo corpo é o sintoma mais comum. Já o choque anafilático, que é a queda brusca de pressão e a dificuldade para respirar é um dos mais graves. A alergia a remédios também pode provocar reações na pele, como se fosse uma queimadura.
O aplicativo para celular ‘Alergia a Medicamentos’ é gratuito e está disponível para os sistemas iOS e Android. Ele funciona assim: a pessoa dá o nome do remédio ou do princípio ativo que causou a alergia. Em até 30 segundos, o aplicativo encontra outros remédios que têm a mesma substância e que também podem provocar alergia.
“Existe muita confusão tanto por parte do paciente como por parte do médico. No Brasil, às vezes um medicamento, um princípio ativo, tem vários nomes comerciais, muitos, às vezes dezenas de nomes. E é muito importante a pessoa saber qual medicamento que ela pode usar”, alerta Castro.
Foi assim que Marcela descobriu que o analgésico que ela tomou tinha a substância que já havia provocado alergia quando ela era criança.

Postar um comentário

0 Comentários